O Alimento Total

10 de maio de 2012

Olá,

Durante o vôo de volta das férias de verão desse ano me deparei com esse texto. Simplesmente ótimo. Demonstra a sensibilidade do autor e tem tudo a ver com o Psicobela e com o RAFCAL. Compartilho com vocês. Deguste-o!

O Alimento Total

Para o corpo, a mente e a alma, o ato de comer guarda diferentes significados.

Somos o que comemos, pensamos e sentimos. A trilogia corpo mente e alma confere sentido à palavra “individuo”, que significa um ser indivisível – ou seja, deveríamos ser as nossas três essências unidas e em harmonia.

Infelizmente, as partes do nosso ser muitas vezes estão separadas, e cada uma funciona em dissonância em relação às outras. Quantas vezes nos encontramos com a alma ausente, a mente ocupada com seus pensamentos e ruídos – e apenas o corpo presente, pois não há como escondê-lo. Uma triste realidade.

Sem dúvida, o objetivo de cada um de nós é ser feliz. Mas o que é a felicidade? Para muitos, ela está atrelada fundamentalmente à sensação de prazer; por exemplo, comemos o que é gostoso. Essa sensação, porém, é muita limitada e efêmera, pois é restrita ao limite físico, do corpo.

Se estendermos a consciência para incluir a mente, vamos tentar descobrir qual o propósito ou razão de comer (o exercício da mente racional). Essa procura ou indagação nos leva a concluir que comemos para nos manter saudáveis e vivos. Ao entender esse fato, começamos a ser mais seletivos com o que colocamos na boca – e nosso grau de felicidade aumenta.

Ao incluir a nossa alma nesse processo, vamos querer saber o significado de comer, pois a alma procura o sentido das nossas ações, bem como o próprio sentido da vida. A alma nos responde que comemos não apenas para ter o prazer físico, mas também para manter-nos saudáveis e, acima de tudo, para poder cumprir nossa missão de vida. Temos aí a dimensão total de felicidade e do porque do ato de comer.

Da mesma forma, podemos usar essa conscientização para entender melhor a atividade de trabalhar. Para o corpo, o trabalho é fonte de recursos para atender nossas necessidades, fisiológicas; para a mente, o trabalho obtém realização profissional; e para a alma, nosso ofício usa nossos dons para o cumprimento da nossa missão de vida.

Lembre-se: o alimento para o corpo é a comida; para a mente o conhecimento; e para a alma, a Luz. Este é o alimento total, o manjar dos deuses. Bom proveito!

Roberte Wong é CEO da Robert Wong Consultoria Executiva. Esse texto foi publicado na Revista TAM nas nuvens – ano 03 número 25 . Janeiro/2010. www.tam.com.br

 


Matérias Similares


×